Dicas para vencer as tentações

14 de dezembro de 2016

casal-sorrindo6aAo falarmos sobre “tentações”, a primeira área que nos vêm à mente é “problemas sexuais”. Embora essa área seja realmente muito abalada e frequentemente atingida, nem sempre o sexo é a maior fonte dos problemas! Existem várias outras!

Você é daquelas pessoas que, em frente uma vitrine fica deslumbrado (a) com um sapato, uma roupa, ou um celular novo? A tentação traz uma tensão e palpitação em seu interior. Sem conseguir resistir, entra na loja e compra o objeto. Nem avalia o “problemão” que terá, para honrar as demais dívidas que já tem a pagar. Já aconteceu isso com você? A compulsividade por compras é o seu “espinho na carne”?

Talvez “consumismo” não seja seu grande problema, mas sua tentação é em outra área, que lhe faz muito mal e também traz muitos problemas.

Paulo também tinha o seu “espinho”. Ele relata que para não ficar orgulhoso, recebeu um obstáculo, que o mantinha em contato com suas limitações. Paulo diz que Satanás fez de tudo para derrubá-lo, mas só conseguiu torná-lo mais dependente de Deus, quebrantado em oração e de joelhos em terra. Ele aproveitou essa oportunidade para fortalecer sua fé e trabalhar a sua fraqueza.

Todos nós temos nossas fraquezas. Algumas pessoas explodem de raiva e não mantêm o controle de suas emoções. Outras, têm um ciúme exagerado, inveja, mau humor, dificuldade em perdoar, em lidar com as diferenças de temperamento. Ou ainda: comer demais, preguiça, trabalhar muito, ficar um tempo prolongado nas redes sociais, na TV, sem contar também as tensões na área sexual. As dificuldades são inúmeras.

Conseguimos administrar bem algumas situações, mas outras nos incomodam ou dificultam nossa convivência. Estas fraquezas podem se transformar em tentações, nas nossas vidas. Algumas vezes, lidamos com facilidade, mas em outros momentos, nos colocamos em situações de risco e caímos de novo e de novo.

Pedro confirma a ideia de que Satanás quer nos derrubar: “Estejam alertas e vigiem. O diabo, inimigo de vocês, anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar”- 1Pe 5.8. Será que a culpa é só do diabo? Podemos dizer que ele tem 50% da culpa. E quanto aos outros 50%?

Encontramos esta resposta em Tg 1.14-15: “Cada um, porém é tentado pelo próprio mau desejo, sendo este arrastado e seduzido. Então esse desejo, tendo concebido, dá à luz o pecado, e o pecado, após ter se consumado gera a morte”. O diabo nos tenta, mas só caímos quando decidimos ceder à tentação.

Dicas para vencer as tentações

  1. Dependência total de Deus: lemos em Tg 4.7: “Portanto, submetam-se a Deus. Resistam ao diabo, e ele fugirá de vocês”. É preciso submeter-se ao Senhor, isto é, estar debaixo do refúgio seguro, que é o próprio Criador. A força e o poder (dunamis) para resistir ao diabo, virão do próprio Deus, a quem nos submetemos. Somos totalmente dependentes de Sua Graça.
  1. Decidir Resistir: a sequência, na passagem acima é “decidir resistir firmemente” ao inimigo (o verbo está no imperativo – resistam!), é uma convocação para lutar para vencer a tentação. Quando optamos por resistir, somos fortalecidos para lutar com o poder (dunamis) que Deus nos dá. Algo de bom acontece: Satanás foge! Ele bate em retirada, quando nós obedecemos ao Senhor.

Não estamos sozinhos na luta contra a tentação. Em 1Pe 5.9, lemos: “Resistam-lhe permanecendo firmes na fé, sabendo que os irmãos que vocês têm em todo mundo estão passando pelos mesmos sofrimentos”. É ótimo saber que muitos outros homens e mulheres, também passam pelas mesmas dificuldades que nós, para vencer a tentação. Eles também estão lutando e vencendo a Satanás! Você não está sozinho (a)!

Jesus também nos dá dicas, sobre como lidar com a tentação: “Vigiem e orem para que não caiam em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca” – Mt 25.41.

  1. É preciso vigiar: Devemos ficar atentos, sermos espertos, precavidos. A ideia que o texto dá, é como a situação de uma sentinela na guerra. Quando avista o inimigo, recua e busca ajuda de seus aliados, prevenindo-se do ataque inimigo.
  1. É preciso orar: através da oração, mostramos nossa fragilidade e dependência de Deus e nos fortalecemos para enfrentar o inimigo. Cristo foi um exemplo de vitória sobre a tentação, com uma vida de oração.
  1. Reconhecer que nossa carne é fraca: esta é uma advertência para que não confiemos em nós mesmos. Todos nós estamos sujeitos a cair e não podemos facilitar. É o que confirma Paulo: “Assim aquele que julga estar firme, cuide-se para que não caia!” 1Co 10.12.
  1. Pensar em coisas boas: “Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, (…) nobre, correto, puro, amável, de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pense nessas coisas”. Fp 4.8. Esta recomendação de Paulo é ótima para as mulheres! É fácil nossa cabeça se encher de pensamentos negativos, que nos levam a pecar. A nossa mente em primeiro lugar, deve se ocupar da palavra de Deus. Que tal ocupar seu tempo de folga, lendo a Bíblia e bons livros, de preferência cristãos?
  1. Ocupar bem o seu tempo. Faça atividades que ajudem no seu crescimento como pessoa, em todas as áreas; espiritual, emocional, relacional, intelectual e física. Use seu tempo para praticar exercícios físicos, algum esporte, conhecer novas pessoas e cultivar boas amizades que ajudem você a se desenvolver. Lembre-se: – mente vazia é oficina do diabo! 
  1. Entender suas limitações e virtudes. O apóstolo Paulo, entendeu o propósito de Deus para seu “espinho na carne”. As vezes o que acontece com você vai além da tentação. Pode ser que você tenha um problema de baixa autoestima que faz você pecar. É necessário que você faça uma honesta avaliação e descubra a realidade do que acontece na sua vida. Todos nós temos habilidades, algo que fazemos bem. Mas também não somos “experts” em tudo. Por exemplo, talvez você não saiba tocar um instrumento, não jogue bem algum esporte, não saiba pintar um quadro ou fazer um bordado em ponto cruz. No entanto, pode ser um bom professor (a), palestrante, vendedor (a) ou cantar bem. Ou seja, cuidar da nossa autoestima consiste em saber o que se faz bem e o que é necessário melhorar.

O fato de não sabermos valorizar o que temos de bom, traz o perigo de pecar por murmurar, ser pessimista, criticar demais, teimosia demais, preocupar-se exageradamente com a aparência e com que os outros vão pensar. Sem contar a possibilidade de colocar a culpa em Deus por nossas dificuldades, abalando nossa fé.

Uma autoestima saudável consiste em pensar equilibradamente acerca de si mesmo: –“Porque pela graça que me foi dada, digo a cada um de vocês: Ninguém tenha de si mesmo um conceito mais elevado do que deve ter; mas, ao contrário, tenha um conceito equilibrado, de acordo com a medida da fé que Deus lhe concedeu” – Romanos 12.3.

  1. Encarar as dificuldades como desafios. Paulo teve esse olhar diante do seu espinho na carne. A princípio ele pediu a Deus por três vezes que retirasse seu problema, mas depois entendeu que suas fraquezas, necessidades, perseguições e angústias que enfrentava, serviam para fortalecê-lo: “pois quando sou fraco, é que sou forte”.
  1. Alegrar-se na Graça de Deus. O Senhor falou diretamente a Paulo: “Minha Graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”. Que preciosidade ouvir essas palavras de Deus! Após ter esse entendimento, Paulo tem outra visão do seu problema. Consegue enxergar que suas dificuldades se tornam pequenas, perto da grande Graça de Deus. Ele deixa que Cristo assuma controle da situação e enfrenta com alegria suas limitações, pois reconhece que elas servem para seu fortalecimento e amadurecimento. 
  1. Buscar ajuda, caso necessite. Depois de orar, confessar e buscar resistir às tentações, você ainda encontra muita dificuldade com certos problemas em sua vida? Tais situações prejudicam seus relacionamentos interpessoais e a você mesmo (a)? Talvez seja o momento de buscar ajuda de um conselheiro, ou até mesmo de um médico ou psicólogo.

Se existe um descontrole emocional, irritação, ansiedade, uma tristeza profunda, ou outro sintoma intenso e frequente, que normalmente não lhe afetava tanto, é importante verificar o que está acontecendo. Pode não ser pecado ou tentação, mas algum distúrbio emocional, que esteja até atingindo seu físico. É necessário que um médico avalie e se for necessário a encaminhe para um psicólogo, de preferência cristão. 

Aceite esse desafio: vencer as tentações! Permaneça firme aos valores de Deus e experimente de sua Graça, que nos fortalece. A cada dia vivendo desta forma, aprenderemos de Deus novas estratégias nesta luta contra o pecado, até que possamos dizer: “Senhor, sua Graça é o suficiente para mim, pois o Seu poder se aperfeiçoa na fraqueza”.

Autora: Magali Leoto

Você gostaria de levar Sergio e Magali Leoto à sua Igreja?

Informações: Envie um e-mail para smleoto@uol.com.br, ou ligue para nós!

Fones: (11) 3288-2964 e 99957-0451

Share Button

Deixe seu Comentário

Comentários

Comentários