Violência nossa de cada dia

6 de dezembro de 2019
Violencia31. EM NOSSOS DIAS

Tempos atrás ouvíamos histórias de violência, em países distantes ou até mesmo em outras cidades do nosso país e ficávamos horrorizados! Alguns diziam “como eles podem ser assim? Estão agindo como animais irracionais!”. É, mas hoje em dia os relatos de violências estão bem mais próximos: um amigo assaltado, um colega de trabalho espancado, um parente sequestrado etc. São pessoas próximas; bem próximas. E em alguns casos, as vítimas somos nós mesmos!

As manchetes dos meios de comunicação, traduzem diversas categorias de violências:

  • “Violência e morte em show de grupo musical”;
  • “Vandalismo destrói estações de trens e metrôs”;
  • “Aumento desenfreado do número de sequestros”;
  • “Briga de torcidas de futebol termina em tragédia”;
  • “Guerra no tráfico de drogas produz mais vítimas;
  • “Desentendimento no trânsito termina com violência”;
  • “Índice de assaltos com mortes sobe assustadoramente” etc.

Não gostamos nem de olhar estas manchetes, mas elas relatam o perigo que nos ronda!

2. POR QUE O SER HUMANO RECORRE À VIOLÊNCIA?

Os psicólogos se dividem, ao analisarem a tendência do ser humano em ser agressivo e violento. Existem pelo menos três linhas de pensamento. Alguns deles creem que:

  • o responsável é o próprio homem e sua agressividade é hereditária: “Consideram os seres humanos instintivamente violentos, destinados (em grande parte) por sua herança genética a serem agressivos”. (Célia Barros, Pontos da Psicologia do Desenvolvimento, Ed. Ática, pág.155).
  • a responsabilidade é do estímulo que foi produzido pelo ambiente: É como se o homem tivesse aprendido a ser violento, com as atitudes agressivas com as quais ele conviveu. “A agressividade não é inata e portanto, os indivíduos podem ser moldados para se tornarem pacíficos e amorosos” (op.cit.pág.155). Aqui, os problemas sócio econômicos, as intolerâncias entre raças ou religiões, o abuso de filmes de violência etc, contribuiriam para agravar o problema.
  • o homem é responsável e o meio ambiente também contribui: Seria a combinação das duas hipóteses anteriores. “É como se o progresso tecnológico, o desenvolvimento da civilização, ao invés de propiciar o bem estar dos indivíduos, concorressem para a produção da deterioração das condições da vida social. A violência também deve ser entendida como produto e produtora de deterioração das condições de vida (…) É como se vivêssemos um momento da civilização em que a cultura não dá mais conta de canalizar a agressividade – que todos possuímos – em produções socialmente construtivas; (…) A violência crescente mobiliza em todos nós a agressividade destrutiva” (Ana Bock, Psicologias, Ed. Saraiva, pág. 255).

Todos estes estudiosos apresentam dados interessantes. A nosso ver cada uma destas linhas deve ser analisada com todo cuidado. De forma alguma poderemos fechar os olhos, à possibilidade hereditária ou à influência do meio ambiente. Entretanto, como cristãos, sabemos que existe um importantíssimo componente, que contribui para que o homem faça o que é mau: o PECADO.

3. O INÍCIO DA VIOLÊNCIA, NA BÍBLIA

Desde o Éden, quando o homem aceitou a sugestão de Satanás, em desobedecer a Deus, ele pecou e se tornou conhecedor do BEM e do MAL (Gn 3:1-4). Pouco tempo depois, a possibilidade de conhecer O MAL, gerou um tremendo ato de VIOLÊNCIA, entre os filhos de Adão: o assassinato de Abel (Gn 4:8).

Esta violência vai se desenrolando (pois ela gera outros atos pecaminosos, como roubos, crueldades, depravações, imoralidades, injustiças, mentiras, soberba etc) e logo depois, nos tempos de NOÉ, a situação era tão insustentável que Deus tem a seguinte conversa: “Resolvi acabar com todos os seres humanos. Eu os destruirei completamente e destruirei também a terra, pois ela está CHEIA DE VIOLÊNCIA” (Gn 6:13 – BLH). E o Senhor manda o dilúvio, salvando Noé, família e animais, em uma arca.

Por toda a Bíblia, você vê a consequência da escolha errada do primeiro casal: violência e mais violência. A ponto de o Senhor declarar a respeito do ser humano: “Maldito o homem que confia no homem, faz da carne mortal o seu braço e aparta o seu coração do Senhor! (…) Enganoso é o coração (do homem), mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto, quem o conhecerá? Eu, o Senhor, esquadrinho o coração, eu provo os pensamentos; e isto para dar a cada um segundo o seu proceder, segundo o fruto das suas ações” (Jr 17:5,9-10).

4. O QUE FAZER DIANTE DA VIOLÊNCIA?
a) NÃO PODEMOS LUTAR CONTRA A VIOLÊNCIA, USANDO MAIS VIOLÊNCIA

É o que vemos com a formação de “Esquadrões da Morte”, ou dos chamados “Justiceiros”, que são assassinos pagos para eliminar bandidos. Retribuir violência com violência, é nivelar-se por baixo. É voltar ao tempo das cavernas. É andar como animais irracionais na selva, onde vale a “lei do mais forte”.

Jesus é chamado de “príncipe da PAZ” (Is 9:6). A violência é OPOSTA à paz. E quem costuma estar oposto às coisas de Deus, é o DIABO! Será que compreendemos que estas violências e perversidades, em última análise, são comandadas pelo próprio SATANÁS?

O apóstolo Paulo diz: “Não paguem a ninguém o mal com o mal. Procurem fazer o que todos acham que é bom. No que depender de vocês, façam todo o possível para viver em paz, uns com os outros” (Rm 12:17-18 – BLH).

Um dos maiores defensores da “não violência”, foi o Pr. Martin Luther King. Ele foi morto, vítima da violência que ele tanto abominava. Mas suas palavras CONTINUAM VIVAS entre nós! Eis um pensamento seu:

“Violência para conseguir justiça (…) é IMPRATICÁVEL E IMORAL! É uma espiral descendente, que acaba em destruição. A lei do ‘olho por olho’ cega a todos. É imoral, porque humilha o oponente em vez de conquistar sua compreensão. Destrói, em vez de converter. É imoral, porque se alimenta do ódio e não do amor. Destrói a comunidade. Torna a fraternidade impossível. É um monólogo, em vez de diálogo. A violência acaba se derrotando a si mesma. Amargura os sobreviventes. Brutaliza os destruidores”.

b) NÃO DESANIMAR DIANTE DA IMPUNIDADE DE QUEM É VIOLENTO

Uma reação negativa que podemos ter diante da violência, é pensar: “ora, se o homem violento sobe na vida fazendo o que é errado, então eu também serei violento”. Isto ocorre por causa da desilusão com a justiça dos homens, por causa da IMPUNIDADE de muitos criminosos.

Quando verificamos a “boa vida” que levam tantos fora da lei, com exemplos dentro e fora do nosso país, somos levados a crer que o crime muitas vezes COMPENSA. Neste ponto, surge o pensamento: “Para que ser honesto e pobre, quando tantos corruptos vivem bem?”

Este tipo de pensamento veio a Asafe, que foi autor do Salmo 73. Ele disse que teve inveja dos homens maus e orgulhosos, pois aparentemente, só aconteciam coisas boas a eles. Veja o que ele diz:

“Os maus são assim: eles têm muito e cada vez ficam mais ricos. Será que não adiantou nada eu me conservar puro e Ter as mãos limpas de pecado? (…) Então eu me esforcei para entender essas coisas, mas isso era difícil demais para mim. PORÉM, quando entrei no Teu Templo, entendi o que acontecerá no fim, com os maus. Tu os pões em lugares onde eles escorregam, e os fazes cair em destruição. Os maus são destruídos num momento e têm um fim horrível” (Sl 73:12-13,16-19 – BLH).

O rei Davi no Salmo 55, mostra sua confiança na justiça do Senhor, para punir aos violentos e preservar os justos. O final de suas vidas não será nada tranquilo:

“Entregue os seus problemas ao Deus Eterno e ele os ajudará; ele nunca deixará que uma pessoa honesta fracasse. Mas tu, ó Deus, jogarás nos abismos profundos aqueles assassinos e traidores; eles não chegarão até a metade das suas vidas. Eu porém, confiarei em ti” (Sl 55:22-23 – BLH).

Salomão registra em Provérbios 6, que os homens violentos e maus cairão em desgraça, por praticarem coisas que Deus abomina:

“As suas mentes perversas estão sempre planejando o mal e eles espalham confusão por toda a parte. Por isso a desgraça cairá de repente sobre eles, e não poderão escapar. Existem sete coisas que o Deus Eterno detesta e que ele não pode tolerar : olhar orgulhoso, a língua mentirosa, mãos que matam gente inocente, a mente que faz planos perversos, pés que se apressam para fazer o mal, a testemunha falsa que diz mentiras, e a pessoa que provoca brigas entre amigos” (Pv 6:14-19 – BLH).

O profeta Miqueias registra a reação do Senhor, diante dos violentos e soberbos:

“Ai daqueles que antes de se levantarem de manhã, já fazem planos para explorar e maltratar os outros! E logo que se levantam fazem o que querem, pois são poderosos ! Quando querem terrenos ou casas, eles os tomam. Maltratam os outros e não respeitam a família nem a propriedade de ninguém. Por isso o Deus Eterno diz: – Vou fazer a desgraça cair sobre vocês, e vocês não escaparão. Será um tempo de sofrimento e vocês não andarão mais tão cheios de orgulho” (Mq 2:1-3 – BLH).

c) DEVEMOS AFASTAR DE NÓS O DESEJO DE VINGANÇA

As últimas passagens bíblicas nos dão a garantia de que os violentos terão a sua paga. Só que a vingança não pode vir de nossas próprias mãos. Se a justiça dos homens falhar, a justiça de Deus jamais falhará. É por isso que lemos em Hb 10:30-31: “Eu me vingarei, eu acertarei contas com eles” (…)“Que coisa terrível é cair nas mãos do Deus vivo” (BLH).

Jesus disse no sermão do monte: “Vocês ouviram o que foi dito: ‘olho por olho e dente por dente’. Eu porém lhes digo: Não se vinguem dos que lhes fazem mal. Se alguém lhes der um tapa na cara, vire o outro lado para ele bater também” (Mt 5:38-39 – BLH). O Senhor não quer que retribuamos “na mesma moeda”.

Você está percebendo que Deus quer nos afastar da intenção de vingança? Sabe por quê? Porque Ele quer que confiemos nEle; porque Ele vai providenciar tudo para que a justiça seja feita; se a justiça dos homens não funcionar, a dEle não falhará. Ouça o que o apóstolo Paulo diz:

“Nunca se vinguem de ninguém; pelo contrário, deixem que o castigo de Deus faça isso. Porque as Escrituras Sagradas dizem: ‘Eu me vingarei, eu acertarei as contas com eles, diz o Senhor’. Mas façam como dizem as Escrituras: ‘Se o seu inimigo estiver com fome, dê comida a ele; se estiver com sede, dê água. Porque assim, você o fará queimar de remorso e vergonha’. Não deixem que o mal vença vocês, mas vençam o mal com o bem” (Rm 12:19-21 – BLH).

CONCLUSÃO

A maneira de lutarmos contra a violência, tem que levar em conta os seguintes pontos:

  • Levarmos o Evangelho a toda a criatura, pois só ele é a resposta para a base da violência, que é o pecado (Mt 28:19-20);
  • Batalharmos honestamente por tempos mais justos, social e economicamente falando;
  • Não consumirmos e não promovermos a “Mídia que incita à violência”;
  • Afastar de nós o desejo de vingança pelas próprias mãos;
  • Podemos confiar no fato de que toda violência receberá uma punição exemplar, da parte de Deus, pois a Sua justiça é perfeita e não falha.

Autores: Pr. Sergio e Psi. Magali Leoto

Você gostaria de levar Pr. Sergio e Psi. Magali Leoto à sua Igreja? Agende um trabalho para este ano! Informações: smleoto@uol.com.br e (11) 99957-0451 whatsapp.

Share Button

Deixe seu Comentário

Comentários

Comentários